Rádio Super - A Original

MENU
Logo
Sábado, 26 de novembro de 2022

Sorocaba - RMS

Sorocaba terá mais uma estação de tratamento com água retirada do rio Sorocaba

A intenção é diminuir a dependência da Represa de Itupararanga

52
Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Sorocaba terá mais uma Estação de Tratamento de Água (ETA), agora na Zona Leste da cidade.

Segundo anúncio feito em entrevista coletiva nesta sexta-feira (14), o novo sistema trará, em curto e médio prazo, a diminuição gradativa da dependência de captação de água da Represa de Itupararanga, via ETA Cerrado, dos atuais 80% para até 20% em 10 anos. A previsão é que o novo modelo comece a funcionar em 2024, captando água diretamente do Rio Sorocaba. A chamada ETA IV – Zona Leste, garantirá o abastecimento da demanda local pelas próximas décadas e o projeto todo está orçado em R$ 200 milhões, envolvendo, ainda, a construção ou ampliação de reservatórios já existentes na cidade. O aporte total será custeado por meio de financiamento a ser aprovado.

A proposta está sendo incluída no novo Plano Diretor de Abastecimento de Água do Município, previsto para estar concluído ainda neste mês. "Será uma revolução no sistema de abastecimento da cidade, cujo modelo atual se mantém desde 1938, com redes antigas e grande dependência da Represa de Itupaparanga. O objetivo é modernizar a estrutura, economizar custos com manutenções e melhorar a autossuficiência hídrica da cidade. Geralmente, só se lembra da necessidade de investir nesse setor quando falta água. 

O detalhamento do projeto à imprensa foi feito pelo diretor-geral do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae), Tiago Suckow. 

A nova ETA IV – Zona Leste terá capacidade de captar 500 litros de água por segundo, abastecendo os Centros de Distribuição, sobretudo, na Zona Leste. O tratamento de água será feito, em princípio, à base de ozônio, um dos mais modernos e eficientes do mundo, igual àquele já adotado na ETA Vitória Régia, que também capta água do Rio Sorocaba.

A área de instalação da nova ETA ainda está em estudo, mas será em ponto junto ao rio, nas proximidades da divisa com a cidade de Votorantim. No local, será proposta a construção de uma barragem de elevação de nível, para captação da água. Outra possibilidade será a captação direta do rio. A previsão é que as obras tenham início já em 2023, assim que concluídos os projetos básico e executivo.

"Com a adoção desse novo sistema, além de maior autonomia em relação à Represa de Itupararanga e à ETA Cerrado, obtém-se um raio de atendimento mais colaborativo para distribuição de água na Zona Leste da cidade. Soma-se a isso a redução de custos operacionais, de insumos e de energia elétrica para tratamento, adução e distribuição da água, a partir da ampliação da capacidade de tratamento com tecnologia superavançada", explica o diretor-geral do Saae/Sorocaba.

Amplitude do projeto

O novo projeto do Saae/Sorocaba também prevê a construção ou ampliação de mais seis reservatórios de água, dentre os 67 já em funcionamento no município, assim como a interligação de todos os 43 Centros de Distribuição. E vai mais além: seguindo as diretrizes do novo Plano Diretor de Água, a autarquia igualmente dará continuidade ao Programa de Redução de Perdas e implantará um moderno Sistema de Reuso, com foco no abastecimento de indústria de Sorocaba.

O atual sistema de abastecimento de água em funcionamento permite a captação de 2.935 litros por segundo, sendo que a ETA Cerrado, a maior em operação na cidade, responde por 81% da demanda do município; ao passo que a ETA Vitória Régia por outros 15%; a ETA Éden por 4% e os poços semiartesianos respondem por menos de 1% do suprimento.

Com a operacionalização da ETA IV – Zona Leste, em um prazo de dois anos, ela atenderia de 15% a 20% da demanda total da cidade, cabendo à ETA Cerrado 50%, mais 30% à ETA Vitória Régia, de 5% a 10% à ETA Éden e menos de 1% aos poços semiartesianos.

"Em um segundo momento, de 5 a10 anos de funcionamento da ETA IV – Zona Leste, ela atenderia de 20% a 30% da demanda da cidade. A ETA Cerrado responderia por 20% a 50%; a ETA Vitória Régia, de 30% a 40%; a ETA Éden, de 5% a 10% e de 3% a 5% da necessidade seriam atendidos com água de reuso, com foco nas indústrias", complementa o diretor-geral do Saae/Sorocaba. Para que esses percentuais sejam atendidos, já está prevista, inclusive, a ampliação da capacidade de tratamento da ETA Vitória Régia, de 375 l/s para 1.500 l/s.

Entenda as etapas do abastecimento

O sistema atual de abastecimento de água em Sorocaba é dividido em quatro etapas, sendo a primeira chamada de captação, realizada em quatro mananciais: as represas do Clemente/Itupararanga, Ipaneminha, Ferraz/Castelinho e Rio Sorocaba.

A segunda etapa é a adução, que são todas as tubulações necessárias para levar a água dos mananciais às Estações de Tratamento. A terceira etapa, conhecida como tratamento, é composta por três ETAs: Dr. Armando Pannunzio (ETA Cerrado), com capacidade de tratamento de 1.800 l/s; ETA Eng. Celso Eufrásio Monteiro (ETA Éden), com 300 l/s e ETA Vitória Régia, com 750 l/s.

 

A última etapa é a de reservação e distribuição. Os reservatórios espalhados pela cidade, juntos, têm a capacidade de armazenamento equivalente a 105.590.000 litros. A partir dos reservatórios, a água é distribuída à população, por meio de malha subterrânea, composta por 2.100 quilômetros de tubulações, abastecendo cerca de 240 mil imóveis.

Fonte/Créditos: Secom

Créditos (Imagem de capa): Saae

Comentários:

Estamos felizes em ter você com a gente. Deixe seu recado