Rádio Super - A Original

MENU
Logo
Sábado, 01 de outubro de 2022

Sorocaba - RMS

Mulher de 54 anos é diagnosticada com leishmaniose Visceral em Sorocaba

A paciente encontra-se estável, internada para a realização do tratamento

39
Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

A Vigilância Epidemiológica de Sorocaba (SP) confirmou, nesta terça-feira (6), um caso de Leishmaniose Visceral. A paciente é uma mulher de 54 anos, residente no município.

Segundo a Prefeitura de Sorocaba, as manifestações clínicas iniciais foram febre, fraqueza, edema, emagrecimento, palidez e esplenomegalia (aumento do volume do baço).

A paciente encontra-se estável, internada para a realização do tratamento e sob acompanhamento da Vigilância Epidemiológica.

 O que é:

A leishmaniose visceral (VL), também conhecida como calazar, é a forma mais grave da leishmaniose. Se não for tratada, chega a ser fatal em mais de 95% dos casos.

O calazar é endêmico em 78 países – e segundo a Organização Mundial da Saúde, a maioria dos casos ocorre no Brasil, na África Oriental e na Índia. Estima-se que 50 a 90 mil novos casos de calazar ocorram anualmente no mundo. Em 2020, mais de 90% dos novos casos notificados à OMS ocorreram em 10 países: Brasil, China, Etiópia, Eritreia, Índia, Quênia, Somália, Sudão do Sul, Sudão e Iêmen.

Como é transmitida

O calazar é causada pelo protozoário parasita Leishmania que é transmitido pela picada de mosquitos-palha infectados. O parasita ataca o sistema imunológico e, meses após a infecção inicial, a doença pode evoluir para uma forma visceral mais grave, que é quase sempre fatal se não for tratada.

Mosquito-palha, transmite a Leishmaniose através de picadas, se infectado

 

Embora alguns canídeos (raposas, cães), roedores, edentados (tamanduás, preguiças) e equídeos possam ser reservatório do protozoário e fonte de infecção para os vetores, nos centros urbanos a transmissão se torna potencialmente perigosa por causa do grande número de cachorros, que adquirem a infecção e desenvolvem um quadro clínico semelhante ao do homem.

A doença não é contagiosa nem se transmite diretamente de uma pessoa para outra, nem de um animal para outro, nem dos animais para as pessoas. A transmissão do parasita ocorre apenas através da picada do mosquito fêmea infectado.

Fonte/Créditos: Rádio Super

Comentários:

Estamos felizes em ter você com a gente. Deixe seu recado